Preço do sistema de negociação de emissões

Preço do sistema de negociação de emissões

Sistema de comércio de emissões
Taxas indianas do forex do banco singapore
Sistema de comércio da zona azul


Simulador de comércio de opções binárias Que hora abre o mercado forex los domingos Cara bermain forex on-line Sistema de negociação Condor Taxas Forex cotações ao vivo Taxa de Forex usd chf Opcao binaria sistema de negociacao forex Software gráfico Forex grátis

EMISSÕES DE COMÉRCIO. Por que negociar emissões? Um sistema de comércio de emissões (ETS) é um poderoso instrumento de política para o gerenciamento de emissões de gases de efeito estufa (GEE). Cap and trade incentiva a excelência operacional e fornece um incentivo e caminho para a implantação de tecnologias novas e existentes. Como instrumento de política, o comércio de emissões é preferível aos impostos, à regulamentação inflexível de comando e controle e aos programas de apoio financiados pelos contribuintes porque: É o meio economicamente mais eficiente de atingir uma determinada meta de redução de emissões; Negociar não é o único instrumento de política que os governos podem usar & # 8211; mas deixar de dar um papel importante à negociação imporá custos desnecessários e criará confusão política. A negociação responde ao objetivo central da política de mudança climática de direcionar o capital de maneira eficiente dentro dos mercados para investimentos de emissões de carbono baixos a zero. Para conseguir isso, um mercado de emissões requer: Escassez de permissões de emissão para criar os sinais de preço para investimentos de baixo carbono. Clareza e previsibilidade de longo prazo das regras, metas e sistemas regulatórios que orientam os mercados de emissões. Períodos de cumprimento adequados, permitindo que as empresas estruturem um & ldquo; fazer ou comprar & # 8221; abordagem às suas reduções de emissões ao longo do tempo. Disposições de contenção de custos, permitindo eficiência na descoberta de soluções de menor custo onde quer que elas sejam encontradas. Mecanismos baseados em compensações oferecem a oportunidade para países ou setores que ainda precisam introduzir uma abordagem baseada em tolerância para participar do mercado, enquanto mantêm baixos os custos de conformidade. Sistema de Comércio de Emissões da UE (EU ETS) O Sistema de Comércio de Emissões da UE foi explicado. O sistema de comércio de emissões da UE (EU ETS) é uma pedra angular da política da UE para combater as alterações climáticas e o seu instrumento fundamental para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa de forma rentável. É o primeiro grande mercado de carbono do mundo e continua sendo o maior deles. opera em 31 países (todos os 28 países da UE mais a Islândia, Liechtenstein e Noruega) limita as emissões de mais de 11.000 instalações que utilizam energia pesada (centrais elétricas e plantas industriais) e companhias aéreas que operam entre esses países cobrem cerca de 45% das emissões de gases com efeito de estufa da UE emissões. Para uma visão geral detalhada, consulte: Um sistema 'cap and trade'. O EU ETS trabalha no princípio do limite e comércio. Um limite é definido na quantidade total de certos gases de efeito estufa que podem ser emitidos pelas instalações cobertas pelo sistema. O limite é reduzido ao longo do tempo para que as emissões totais caiam. Dentro do limite, as empresas recebem ou compram licenças de emissão que podem negociar umas com as outras conforme necessário. Eles também podem comprar quantidades limitadas de créditos internacionais de projetos de redução de emissões em todo o mundo. O limite do número total de permissões disponíveis garante que elas tenham um valor. Após cada ano, uma empresa deve entregar licenças suficientes para cobrir todas as suas emissões, caso contrário, multas pesadas são impostas. Se uma empresa reduz suas emissões, ela pode manter as licenças de reposição para cobrir suas necessidades futuras ou então vendê-las para outra empresa que não possui licenças. O comércio traz flexibilidade que garante que as emissões sejam cortadas onde custa menos. Um preço robusto de carbono também promove investimentos em tecnologias limpas e de baixo carbono. Principais características da fase 3 (2013-2020) O EU ETS está agora em sua terceira fase - significativamente diferente das fases 1 e 2. As principais mudanças são: Aplica-se um único limite de emissões à escala da UE em vez do anterior sistema de limites nacionais O leilão é o método predefinido para atribuição de licenças (em vez de atribuição gratuita) e as regras de atribuição harmonizadas aplicam-se às licenças ainda gratuitas. os gases incluíram 300 milhões de licenças reservadas na New Entrants Reserve para financiar a implantação de tecnologias inovadoras de energia renovável e captura e armazenamento de carbono por meio do programa NER 300. Setores e gases cobertos. O sistema cobre os seguintes setores e gases com foco nas emissões que podem ser medidas, reportadas e verificadas com um alto nível de precisão: dióxido de carbono (CO 2) da geração de energia e calor - setores intensivos em energia, incluindo refinarias de petróleo, siderúrgicas e produção de ferro, alumínio, metais, cimento, cal, vidro, cerâmica, polpa, papel, papelão, ácidos e produtos químicos orgânicos a granel Óxido nitroso (N 2 O) da aviação comercial a partir da produção de ácidos nítrico, adípico e glioxílico e de perfluorocarbonetos glioxálicos (PFC) a partir da produção de alumínio. A participação no EU ETS é obrigatória para empresas nestes setores, mas. em alguns setores, apenas plantas acima de um determinado tamanho são incluídas. Algumas pequenas instalações podem ser excluídas se os governos implementarem medidas fiscais ou outras medidas que reduzirão suas emissões em um valor equivalente no setor de aviação; até 2016, o EU ETS se aplica apenas a vôos entre aeroportos situados no Espaço Económico Europeu (EEE). Entregando reduções de emissões. O EU ETS provou que colocar um preço no carbono e comercializá-lo pode funcionar. As emissões das instalações do regime estão a diminuir como previsto - cerca de 5% em comparação com o início da fase 3 (2013) (ver dados de 2015). Em 2020, as emissões dos setores abrangidos pelo sistema serão 21% menores do que em 2005. Desenvolvendo o mercado de carbono. Criado em 2005, o EU ETS é o primeiro e maior sistema internacional de comércio de emissões do mundo, respondendo por mais de três quartos do comércio internacional de carbono. O EU ETS também está inspirando o desenvolvimento do comércio de emissões em outros países e regiões. A UE pretende ligar o EU ETS a outros sistemas compatíveis. Legislação principal do EU ETS. 30/04/2014 - Versão consolidada da Directiva 2003/87 / CE do Parlamento Europeu e do Conselho, relativa à criação de um regime de comércio de licenças de emissão de gases com efeito de estufa na Comunidade e que altera a Directiva 96/61 / CE do Conselho 23/04/2009 - Diretiva 2009/29 / CE do Parlamento Europeu e do Conselho que altera a Diretiva 2003/87 / CE no sentido de melhorar e tornar extensivo o regime de comércio de licenças de emissão de gases com efeito de estufa da Comunidade 19/11/2008 - Diretiva 2008/101 / CE do o Parlamento Europeu e o Conselho que altera a Directiva 2003/87 / CE de modo a incluir as actividades da aviação no regime de comércio de licenças de emissão de gases com efeito de estufa na Comunidade 27/10/2004 - Directiva 2004/101 / CE do Parlamento Europeu e do Conselho o Conselho que altera a Directiva 2003/87 / CE, relativa à criação de um regime de comércio de licenças de emissão de gases com efeito de estufa na Comunidade, no âmbito dos mecanismos de projecto do Protocolo de Quioto 13/10/2003 - Directiva 2003/87 / CE do Parlamento Europeu e do Conselho ncil que estabelece um regime de comércio de licenças de emissão de gases com efeito de estufa na Comunidade e altera a Directiva 96/61 / CE do Conselho. Relatórios do mercado de carbono. 23/11/2017 - COM (2017) 693 - Relatório sobre o funcionamento do mercado europeu do carbono 01/02/2017 - COM (2017) 48 - Relatório sobre o funcionamento do mercado europeu do carbono 18/11/2015 - COM ( 2015) 576 - Relatório sobre o funcionamento do mercado europeu do carbono 14/11/2012 - COM (2012) 652 - A situação do mercado europeu do carbono em 2012. Revisão do EU ETS para a fase 3. 04/02/2011 - Conclusões do Conselho Europeu de 4 de fevereiro de 2011 (ver conclusões 23 e 24) 18/03/2010 - Orientações sobre a interpretação do anexo I da Diretiva RCLE-UE (excluindo atividades de aviação) 18/03/2010 - Orientação documento para identificação dos geradores de electricidade 06/04/2009 - Comunicado de imprensa do Conselho sobre a adopção do pacote clima-energia 12/12/2008 - Conclusões da Presidência do Conselho Europeu (11 e 12 de Dezembro de 2008) 12/12/2008 - Conselho Europeu Declaração sobre a utilização das receitas dos leilões 23/01/2008 - Proposta de Directiva do Parlamento Europeu e do Conselho que altera a Directiva 2003/87 / CE no sentido de melhorar e alargar o sistema de comércio de licenças de emissão de gases com efeito de estufa da Comunidade 23 / 01/2008 - Documento de trabalho dos serviços da Comissão - Documento de acompanhamento da proposta de diretiva do Parlamento Europeu e do Conselho que altera a Diretiva 2003/87 / CE no sentido de melhorar e alargar o sistema de comércio de licenças de emissão de gases com efeito de estufa - Avaliação de impacto. Implementação. 04/07/2013 - Projecto de Regulamento Alterado relativo à determinação dos direitos creditórios internacionais 05/06/2013 - Projecto de Regulamento sobre a determinação dos direitos creditórios internacionais 05/05/2013 Regulamento (UE) n.º 389/2013 da Comissão, de 2 de maio de 2013, que cria um Registo da União nos termos do à Diretiva 2003/87 / CE do Parlamento Europeu e do Conselho, Decisões n.º 280/2004 / CE e n.º 406/2009 / CE do Parlamento Europeu e do Conselho e que revoga os Regulamentos (UE) n.º 920/2010 da Comissão e N. ° 1193/2011 Texto relevante para efeitos do EEE 18/11/2011 - Regulamento da Comissão que estabelece um Registo da União para o período de comércio com início em 1 de janeiro de 2013 e os períodos de comércio subsequentes do regime de comércio de emissões da União nos termos da Diretiva 2003/87 / CE Parlamento Europeu e do Conselho e Decisão 280/2004 / CE do Parlamento Europeu e do Conselho e que altera os Regulamentos (CE) n.º 2216/2004 e (UE) n.º 920/2010 - ainda não publicados no Jornal Oficial 07 / 10/2010 - Regulamento da Comissão (UE) no 920/2010 relativa a um sistema de registos normalizado e protegido, em conformidade com a Directiva 2003/87 / CE do Parlamento Europeu e do Conselho e a Decisão no 280/2004 / CE do Parlamento Europeu e do Conselho - versão não incluindo as alterações introduzidas pelo Regulamento de 18 de novembro de 2011 08/10/2008 - Regulamento (CE) n.o 994/2008 da Comissão relativo a um sistema de registos normalizado e protegido, nos termos da Diretiva 2003/87 / CE do Parlamento Europeu e do Conselho e Decisão n.º 280/2004 / CE do Parlamento Europeu e do Conselho - versão aplicável até 31 de Dezembro de 2011 26/10/2007 - Decisão Misto do Comité Misto do EEE n.º 146/2007, que liga o RCLE-UE à Noruega, à Islândia e ao Liechtenstein 13/11 / 2006 - Decisão 2006/780 / CE da Comissão, relativa à redução da duplicação das emissões de gases com efeito de estufa no âmbito do regime comunitário de comércio de licenças de emissão no âmbito do Protocolo de Quioto, nos termos da Directiva 2003/87 / CE do Parlamento Europeu e do Conselho (n sob nº C (2006) 5362) 21/12/2004 - Versão consolidada do Regulamento (CE) nº 2216/2004 da Comissão para um sistema de registos normalizado e protegido, com a redacção que lhe foi dada pelo Regulamento (CE) nº 916/2007 da Comissão, de 31 de Julho 2007, Regulamento (CE) n.o 994/2008 da Comissão, de 8 de Outubro de 2008, e Regulamento (UE) n.o 920/2010 da Comissão, de 7 de Outubro de 2010 - versão sem alterações introduzidas pelo Regulamento de 18 de Novembro de 2011. Aplicação do IVA. História da Legislação da Directiva 2003/87 / CE. Trabalhar antes da proposta da Comissão. 08/02/2000 - COM (2000) 87 - Livro Verde sobre comércio de emissões de gases com efeito de estufa na União Europeia Mandato e resultados do Grupo de Trabalho 1 da ECCP: Mecanismos flexíveis 04/09/2001 - Resumo Resumido do Presidente da reunião de consulta das partes interessadas (com a indústria ONG ambientais e ambientais 19/05/1999 - COM (1999) 230 - Preparação da aplicação do Protocolo de Quioto 03/06/1998 - COM (1998) 353 - Alterações climáticas - Rumo a uma estratégia pós-Quioto da UE Âmbito do RCLE UE : 07/2007 - Pequenas Instalações dentro do Sistema de Comércio de Emissões da UE 10/2006 - Inclusão de atividades e gases adicionais no Sistema de Comércio de Emissões da UE Maior harmonização e maior previsibilidade: 12/2006 - A abordagem para novos entrantes e encerramentos 10/2006 - Leilão de licenças de emissão de CO2 na EU ETS 10/2006 - Harmonização de metodologias de alocação 12/2006 - Relatório sobre a competitividade internacional Grupo de trabalho da ECCP sobre o comércio de emissões na revisão do EU ETS 15/06/2007 - Relatório final da 4ª reunião Ligação em Sistemas de Comércio de Emissões em Terceiros Países 22/05/2007 - Relatório final da 3ª reunião sobre Harmonização Adicional e Previsibilidade Aumentada 26/04/2007 - Relatório Final da 2ª reunião sobre Cumprimento e Cumprimento Robustos 09/03/2007 - Relatório final da primeira reunião sobre o âmbito da directiva. Proposta da Comissão de Outubro de 2001. 22/01/2002 - Não-documento sobre sinergias entre a proposta de comércio de emissões da CE (COM (2001) 581) e a Directiva IPPC 23/10/2001 - COM (2001) 581 - Proposta de directiva-quadro relativa ao comércio de emissões de gases com efeito de estufa na Comunidade Europeia. Reacção da Comissão à leitura da proposta no Conselho e no Parlamento (incluindo a posição comum do Conselho) 18/07/2003 - COM (2003) 463 - Parecer da Comissão sobre as alterações do Parlamento Europeu à posição comum do Conselho respeitante à proposta de directiva do Parlamento Europeu e do Conselho 20/06/2003 - COM (2003) 364 - Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu relativa à posição comum do Conselho sobre a adopção de uma directiva que estabelece um regime de comércio de licenças de emissão de gases com efeito de estufa na Comunidade e altera a Directiva 96/61 / CE 18/03/2003 - Posição Comum ) 28.2003 - Posição Comum do Conselho sobre a adopção de uma directiva que estabelece um regime de comércio de licenças de emissão de gases com efeito de estufa na Comunidade e altera a Directiva 96/61 / CE do Conselho 27/11/2002 - COM (2002) 680 - Proposta alterada de directiva do Parlamento Europeu e do Conselho que estabelece um regime de comércio de licenças de emissão de gases com efeito de estufa na Comunidade e altera a Directiva 96/61 / CE do Conselho. Abra todas as perguntas. Perguntas e Respostas sobre o Sistema de Comércio de Emissões da UE revisado (dezembro de 2008) Qual é o objetivo do comércio de emissões? O objetivo do Sistema de Comércio de Emissões da UE (EU ETS) é ajudar os Estados Membros da UE a cumprir seus compromissos de limitar ou reduzir as emissões de gases de efeito estufa de maneira econômica. Permitir que as empresas participantes comprem ou vendam licenças de emissão significa que os cortes de emissões podem ser alcançados pelo menos pelo custo. O EU ETS é a pedra angular da estratégia da UE para combater as alterações climáticas. É o primeiro sistema internacional de comércio de emissões de CO 2 no mundo e está em funcionamento desde 2005. A partir de 1 de Janeiro de 2008, aplica-se não só aos 27 Estados-Membros da UE, mas também aos outros três membros do Espaço Económico Europeu. - Noruega, Islândia e Liechtenstein. Actualmente, abrange mais de 10 000 instalações nos sectores da energia e da indústria, que são colectivamente responsáveis ​​por quase metade das emissões de CO 2 da UE e por 40% das suas emissões totais de gases com efeito de estufa. Uma emenda à Diretiva EU ETS, acordada em julho de 2008, trará o setor da aviação para o sistema a partir de 2012. Como funciona o comércio de emissões? O EU ETS é um sistema de limite e comércio, ou seja, ele limita o nível geral de emissões permitidas, mas, dentro desse limite, permite que os participantes do sistema comprem e vendam licenças conforme necessário. Essas permissões são a "moeda" de negociação comum no coração do sistema. Uma licença concede ao titular o direito de emitir uma tonelada de CO 2 ou a quantidade equivalente de outro gás com efeito de estufa. O teto do número total de permissões cria escassez no mercado. No primeiro e segundo período de comércio ao abrigo do regime, os Estados-Membros tiveram de elaborar planos nacionais de atribuição (NAP) que determinam o nível total de emissões do RCLE e o número de licenças de emissão que cada instalação recebe no seu país. No final de cada ano, as instalações devem devolver licenças equivalentes às suas emissões. As empresas que mantêm suas emissões abaixo do nível de suas permissões podem vender seus excedentes de licenças. Aqueles que enfrentam dificuldades em manter suas emissões alinhadas com seus subsídios têm uma escolha entre tomar medidas para reduzir suas próprias emissões - como investir em tecnologia mais eficiente ou usar fontes de energia menos intensivas em carbono - ou comprar as permissões extras necessárias no mercado. , Ou uma combinação de ambos. Tais escolhas são provavelmente determinadas por custos relativos. Dessa forma, as emissões são reduzidas onde quer que seja mais econômico fazê-lo. Há quanto tempo o EU ETS está operando? O EU ETS foi lançado em 1 de janeiro de 2005. O primeiro período de comércio durou três anos até o final de 2007 e foi uma fase de 'aprender fazendo' para se preparar para o segundo período de comércio crucial. O segundo período de comércio teve início em 1 de janeiro de 2008 e dura cinco anos até o final de 2012. A importância do segundo período de comércio decorre do fato de coincidir com o primeiro período de compromisso do Protocolo de Kyoto, durante o qual a UE e outras os países industrializados devem cumprir suas metas para limitar ou reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Para o segundo período de comércio, as emissões do RCLE-UE foram limitadas em cerca de 6,5% abaixo dos níveis de 2005 para ajudar a garantir que a UE como um todo, e os Estados-Membros individualmente, cumpram os seus compromissos de Quioto. Quais são as principais lições aprendidas com a experiência até agora? O EU ETS colocou um preço no carbono e provou que o comércio de emissões de gases de efeito estufa funciona. O primeiro período de comércio estabeleceu com sucesso o comércio livre de licenças de emissão em toda a UE, criou a infraestrutura necessária e desenvolveu um mercado dinâmico de carbono. Os benefícios ambientais da primeira fase podem ser limitados devido à atribuição excessiva de licenças em alguns Estados-Membros e alguns sectores, devido principalmente a uma dependência das projecções das emissões antes de os dados das emissões verificadas serem disponibilizados no âmbito do RCLE-UE. Quando a publicação dos dados de emissões verificadas para 2005 destacou essa “superalocação”, o mercado reagiu como seria esperado, baixando o preço de mercado das permissões. A disponibilidade de dados de emissões verificadas permitiu à Comissão assegurar que o limite para as dotações nacionais na segunda fase seja estabelecido a um nível que resulte em reduções reais das emissões. Para além de sublinhar a necessidade de dados verificados, a experiência até à data demonstrou que uma maior harmonização no âmbito do RCLE-UE é imperativa para garantir que a UE atinja os seus objetivos de redução de emissões pelo menor custo e com distorções de concorrência mínimas. A necessidade de mais harmonização é mais clara no que diz respeito ao modo como é estabelecido o limite para as licenças de emissão globais. Os dois primeiros períodos de comércio mostram também que os métodos nacionais amplamente divergentes de atribuição de licenças a instalações ameaçam a concorrência leal no mercado interno. Além disso, é necessária uma maior harmonização, clarificação e aperfeiçoamento no que diz respeito ao âmbito do sistema, ao acesso a créditos de projectos de redução de emissões fora da UE, às condições de ligação do RCLE-UE aos sistemas de comércio de emissões noutros locais e à monitorização, verificação e requisitos de relatórios. Quais são as principais mudanças no EU ETS e a partir de quando elas serão aplicadas? As alterações de projeto acordadas serão aplicadas a partir do terceiro período de comércio, ou seja, janeiro de 2013. Embora o trabalho preparatório seja iniciado imediatamente, as regras aplicáveis ​​não serão alteradas até janeiro de 2013 para garantir que a estabilidade regulatória seja mantida. O EU ETS no terceiro período será um sistema mais eficiente, mais harmonizado e mais justo. O aumento da eficiência é conseguido através de um período comercial mais longo (8 anos em vez de 5 anos), um limite de emissões robusto e decrescente anual (redução de 21% em 2020 comparado a 2005) e um aumento substancial na quantidade de leilões. 4% na fase 2 para mais da metade na fase 3). Foi harmonizada mais harmonização em muitos domínios, incluindo no que diz respeito à fixação de limites (limite máximo a nível da UE em vez dos limites nacionais nas fases 1 e 2) e às regras para a atribuição gratuita a título transitório. A equidade do sistema foi substancialmente aumentada pela passagem para regras de atribuição de licenças de emissão em toda a UE para as instalações industriais e pela introdução de um mecanismo de redistribuição que permite aos novos Estados-Membros leiloar mais licenças. Como o texto final se compara à proposta inicial da Comissão? As metas climáticas e energéticas acordadas pelo Conselho Europeu da Primavera de 2007 foram mantidas e a arquitectura global da proposta da Comissão sobre o RCLE-UE permanece intacta. Ou seja, haverá um limite máximo a nível da UE sobre o número de licenças de emissão e este limite diminuirá anualmente ao longo de uma linha de tendência linear, que continuará para além do final do terceiro período de comércio (2013-2020). A principal diferença em relação à proposta é que o leilão de licenças será introduzido gradualmente. Quais são as principais alterações em relação à proposta da Comissão? Em resumo, as principais alterações feitas na proposta são as seguintes: Alguns Estados-Membros podem beneficiar de uma derrogação facultativa e temporária à regra segundo a qual não devem ser atribuídos licenças de emissão a geradores de eletricidade a partir de 2013. Esta opção de derrogação está à disposição dos Estados-Membros que preencham determinadas condições relacionadas com a interconexão da sua eletricidade. rede, quota de um único combustível fóssil na produção de electricidade e PIB / capita em relação à média da UE-27. Além disso, o montante de licenças gratuitas que um Estado-Membro pode atribuir às centrais eléctricas está limitado a 70% das emissões de dióxido de carbono das instalações pertinentes na fase 1 e diminui nos anos seguintes. Além disso, a atribuição a título gratuito na fase 3 só pode ser concedida a centrais eléctricas em funcionamento ou em construção, o mais tardar no final de 2008. Ver resposta à pergunta 15 abaixo. A directiva conterá mais pormenores sobre os critérios a utilizar para determinar os sectores ou subsectores considerados expostos a um risco significativo de fuga de carbono e uma data anterior de publicação da lista da Comissão sobre esses sectores (31 de Dezembro). 2009). Além disso, sujeito a revisão quando for alcançado um acordo internacional satisfatório, as instalações em todas as indústrias expostas receberão 100% de licenças gratuitas na medida em que usem a tecnologia mais eficiente. A alocação gratuita à indústria é limitada à participação das emissões dessas indústrias no total de emissões em 2005 a 2007. O número total de permissões alocadas gratuitamente a instalações em setores industriais declinará anualmente de acordo com o declínio do limite de emissões. Os Estados-Membros podem igualmente compensar certas instalações por custos de CO 2 repercutidos nos preços da electricidade se os custos do CO 2 os pudessem expor ao risco de fuga de carbono. A Comissão comprometeu-se a alterar as orientações comunitárias em matéria de auxílios estatais a favor do ambiente. Veja a resposta à questão 15 abaixo. O nível de leilões de licenças para a indústria não exposta aumentará de forma linear, como proposto pela Comissão, mas, em vez de atingir 100% até 2020, atingirá 70%, tendo em vista atingir 100% até 2027. Tal como previsto Na proposta da Comissão, 10% dos subsídios para leilão serão redistribuídos dos Estados Membros com alta renda per capita para aqueles com baixa renda per capita, a fim de fortalecer a capacidade financeira destes últimos de investir em tecnologias amigáveis ​​ao clima. Foi adicionada uma provisão para outro mecanismo redistributivo de 2% das licenças de emissão em leilão, a fim de ter em conta os Estados-Membros que, em 2005, conseguiram uma redução de pelo menos 20% das emissões de gases com efeito de estufa em comparação com o ano de referência estabelecido pelo Protocolo de Quioto. A percentagem de receitas leiloadas que os Estados-Membros devem utilizar para combater e adaptar-se às alterações climáticas, principalmente na UE, mas também nos países em desenvolvimento, é aumentada de 20% para 50%. O texto prevê um complemento ao nível de uso permitido de créditos de IC / MDL no cenário de 20% para operadores existentes que receberam os menores orçamentos para importar e usar tais créditos em relação a alocações e acesso a créditos no período. 2008-2012. Novos setores, novos entrantes nos períodos 2013-2020 e 2008-2012 também poderão usar créditos. O montante total de créditos que poderão ser utilizados não excederá, no entanto, 50% da redução entre 2008 e 2020. Com base numa redução de emissões mais rigorosa no contexto de um acordo internacional satisfatório, a Comissão poderá permitir acesso adicional a RCE e URE. para os operadores do regime comunitário. Veja a resposta à questão 20 abaixo. O produto do leilão de 300 milhões de permissões da reserva de novos operadores será usado para apoiar até 12 projetos e projetos de demonstração de captura e armazenamento de carbono, demonstrando tecnologias inovadoras de energia renovável. Várias condições estão associadas a este mecanismo de financiamento. Veja a resposta à questão 30 abaixo. A possibilidade de optar por pequenas instalações de combustão, desde que sujeitas a medidas equivalentes, foi alargada a todas as pequenas instalações independentemente da actividade, o limiar de emissões aumentou de 10.000 para 25.000 toneladas de CO 2 por ano e o limiar de capacidade que instalações de combustão tem que cumprir, além disso foi elevado de 25MW para 35MW. Com estes limiares aumentados, a percentagem de emissões abrangidas que potencialmente seriam excluídas do sistema de comércio de emissões torna-se significativa e, consequentemente, foi adicionada uma provisão para permitir uma redução correspondente do limite de licenças a nível da UE. Ainda haverá planos nacionais de alocação (NAPs)? Não. Nos seus PAN nos primeiros (2005-2007) e no segundo (2008-2012) períodos de comércio, os Estados-Membros determinaram a quantidade total de licenças a emitir - o limite máximo - e como estas seriam atribuídas às instalações em causa. Esta abordagem gerou diferenças significativas nas regras de alocação, criando um incentivo para que cada Estado-Membro favoreça o seu próprio setor e tenha levado a uma grande complexidade. A partir do terceiro período de comércio, haverá um limite único a nível da UE e as licenças serão atribuídas com base em regras harmonizadas. Os planos nacionais de atribuição não serão, portanto, mais necessários. Como será determinado o limite de emissões na fase 3? As regras para o cálculo do limite a nível da UE são as seguintes: A partir de 2013, o número total de licenças diminuirá anualmente de maneira linear. O ponto de partida desta linha é a quantidade total média de licenças (fase 2 limite) a ser emitida pelos Estados Membros para o período 2008-12, ajustada para refletir o escopo ampliado do sistema a partir de 2013, bem como quaisquer instalações pequenas que os Países Membros Estados optaram por excluir. O fator linear pelo qual a quantidade anual deve diminuir é de 1,74% em relação ao limite da fase 2. O ponto de partida para determinar o fator linear de 1,74% é a redução geral de 20% dos gases de efeito estufa em relação a 1990, o que equivale a uma redução de 14% em relação a 2005. No entanto, uma redução maior é exigida do EU ETS porque é mais barato reduzir as emissões nos sectores do RCLE. A divisão que minimiza o custo total de redução é: uma redução de 21% nas emissões do setor RCLE-UE em relação a 2005 até 2020; uma redução de cerca de 10% em relação a 2005 para os sectores não abrangidos pelo RCLE-UE. A redução de 21% em 2020 resulta em um teto ETS em 2020 de um máximo de 1720 milhões de permissões e implica um limite médio de 3ª fase (2013 a 2020) de cerca de 1846 milhões de permissões e uma redução de 11% em comparação com o limite da fase 2. Todos os números absolutos indicados correspondem à cobertura no início do segundo período de negociação e, portanto, não levam em conta a aviação, que será adicionada em 2012, e outros setores que serão adicionados na fase 3. Os valores finais para os limites anuais de emissões na fase 3 serão determinados e publicados pela Comissão até 30 de Setembro de 2010. Como será determinado o limite de emissões além da fase 3? O fator linear de 1,74% usado para determinar o limite da fase 3 continuará a ser aplicado além do final do período de comércio em 2020 e determinará o limite para o quarto período de comércio (2021 a 2028) e além. Pode ser revisto até 2025, o mais tardar. De fato, reduções significativas de emissão de 60% -80% em relação a 1990 serão necessárias até 2050 para alcançar o objetivo estratégico de limitar o aumento da temperatura média global a não mais que 2 ° C acima dos níveis pré-industriais. Um limite de licenças de emissão para toda a UE será determinado para cada ano. Isto reduzirá a flexibilidade das instalações em causa? Não, a flexibilidade para instalações não será reduzida de forma alguma. Em qualquer ano, as licenças de emissão a serem leiloadas e distribuídas devem ser emitidas pelas autoridades competentes até 28 de fevereiro. A última data para os operadores devolverem licenças é 30 de abril do ano seguinte ao ano em que as emissões ocorreram. Assim, os operadores recebem as permissões para o ano atual antes de terem que entregar as permissões para cobrir suas emissões do ano anterior. As tolerâncias permanecem válidas durante todo o período de negociação e quaisquer provisões excedentes podem agora ser "depositadas" para uso em períodos de negociações subseqüentes. Nesse aspecto, nada mudará. O sistema permanecerá baseado em períodos de negociação, mas o terceiro período de negociação durará oito anos, de 2013 a 2020, em oposição a cinco anos para a segunda fase, de 2008 a 2012. Para o segundo período de comércio, os Estados-Membros decidiram geralmente atribuir quantidades totais iguais de licenças para cada ano. A redução linear a cada ano a partir de 2013 corresponderá melhor às tendências esperadas de emissões no período. Esquema de Comércio de Emissões da UE (EU ETS) Guia do Esquema de Comércio de Emissões da UE (EU ETS) e seu impacto nas empresas. Conteúdo atualizado pela última vez: novembro de 2013. O EU ETS - também conhecido como o Sistema de Comércio de Emissões da União Européia - coloca um limite no dióxido de carbono (CO2) emitido pelas empresas e cria um mercado e preço para as permissões de carbono. Abrange 45% das emissões da UE, incluindo setores intensivos em energia e aproximadamente 12.000 instalações. Veja mais detalhes abaixo em: O EU ETS: Fase II (2008-2012) A fase II do EU ETS decorreu de 2008-2012 (o período de compromisso do Protocolo de Quioto). Durante esta fase, todos os estados membros da UE: Desenvolveu um Plano Nacional de Atribuição (NAP). O Estado-Membro propôs um limite ('limite') do total de emissões de instalações relevantes. Os planos foram aprovados pela Comissão Europeia, em muitos casos após algumas revisões. Subsídios distribuídos O 'limite' foi convertido em subsídios, conhecidos como EUAs (1 tonelada de dióxido de carbono = 1 EUA). Os Estados-Membros distribuíram estes subsídios para as instalações do sistema no seu país de acordo com o plano aprovado. Até 10% dos subsídios poderiam ser leiloados em vez de serem dados gratuitamente. Esses leilões foram maiores no Reino Unido e na Alemanha. Operado o Esquema As instalações foram obrigadas a monitorizar e reportar as emissões de carbono verificadas No final de cada ano, as instalações eram obrigadas a devolver licenças suficientes para cobrir as suas emissões e poderiam comprar licenças adicionais ou vender qualquer excedente de Implementação Conjunta (JI) e Mecanismo de Desenvolvimento Limpo ( CDM) poderiam ser utilizados no âmbito do regime, através da «Directiva de Ligação», acordada em 2004) Como o EU ETS funciona agora (2013-2020) A fase III começou em 2013 e vai até 2020. As maiores mudanças na Fase III são: O regime deveria também ser alargado ao setor da aviação a partir de janeiro de 2013, abrangendo todos os voos que descolam e aterram na UE, incluindo os que provêm ou partem de países não pertencentes à UE. No entanto, em novembro de 2012, a Comissão Européia decidiu adiar a extensão do esquema para voos extra-UE até depois da Assembléia Geral da Organização Internacional de Aviação Civil (OACI) no outono de 2013, na expectativa de que um acordo global de mitigação de gases de efeito estufa ser alcançado. O ETS continua a ser aplicável aos voos intra-UE a partir de janeiro de 2013. As informações mais recentes sobre o RCLE-UE e a aviação podem ser encontradas em gov.uk. Excluir. O DECC introduziu uma provisão de desativação para pequenos emissores e hospitais no Reino Unido, permitindo que eles passassem para um esquema mais "leve", com custos administrativos mais baixos (que atingem empresas desproporcionalmente menores). O opt-out irá fornecer uma redução de carbono equivalente. Subsídios. Pelo menos 50% das licenças serão leiloadas a partir de 2013 (em vez de dadas às instalações). O uso de licenças do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) será mais restrito a não mais do que 50% das reduções necessárias. Relatórios do Carbon Trust EU ETS. Data de publicação: 2004 - 2008. Reduzindo o Carbono na Europa: os planos para 2020 e o futuro do EU ETS (CTC734) Data de publicação: 01/06/2008. Este relatório analisa as alterações ao esquema de comércio de emissões da UE (EU ETS) proposto pela Comissão Europeia em 23 de janeiro de 2008 e suas implicações para as empresas. Conclui que as propostas são um passo ousado e significativo na direção certa, que corrige fraquezas no esquema atual e fornece o nível de certeza que as empresas e os investidores têm solicitado. Impacto do EU ETS na lucratividade e no comércio (CTC728) Data de publicação: 11/01/2008. Este relatório combina dados sobre como os custos de negócios seriam afetados pelos custos de carbono com a análise do efeito sobre os preços e o comércio internacional, a fim de identificar o pequeno grupo de atividades para as quais a competitividade é um problema para o meio ambiente e para as empresas. para identificar possíveis respostas. Alocação da Fase II do EU ETS: implicações e lições (CTC715) Data de publicação: 21/05/2007. Este relatório analisa as implicações para o mercado de carbono da Fase II (e os incentivos de redução industrial resultantes) e as lições mais amplas a serem aprendidas do processo de alocação. Atribuição e competitividade no sistema de comércio de licenças de emissão da UE: opções para a fase II e seguintes (CTC609) Data de publicação: 01/06/2006. Este relatório, baseado em pesquisa colaborativa com Climate Strategies, examina o funcionamento do EU ETS até o momento e oferece análises e recomendações sobre seu desenvolvimento futuro. O estudo identifica sete desafios principais a serem superados para a segunda fase do EU ETS e estabelece as próprias conclusões e recomendações do Carbon Trust para o futuro do EU ETS como um instrumento que pode ajudar as empresas a reduzir as emissões de maneira mais eficiente possível, e também protegem e, em última instância, aumentam a competitividade das empresas em um mundo restrito ao CO 2. O Esquema Europeu de Comércio de Emissões: Implicações para a Competitividade Industrial (CT-2004-04) Data de publicação: 30/06/2004. Este relatório explora em profundidade as implicações do RCLE-UE para a competitividade industrial no Reino Unido e na UE em geral. Ele apresenta nossa análise de percepções combinadas de modelagem econômica e um programa de entrevistas com os interessados. Fundo. O regime EU ETS começou em 2005 para ajudar a UE a cumprir os seus objectivos ao abrigo do Protocolo de Quioto (redução de 8% das emissões de gases com efeito de estufa dos níveis de 1990). O esquema é o maior esquema de comércio de carbono do mundo. Ele fornece um incentivo para que as instalações reduzam suas emissões de carbono, porque podem vender suas permissões excedentes. As instalações estão incluídas no esquema com base em suas atividades emissoras de dióxido de carbono (CO2). As indústrias abrangidas incluem: Geração de eletricidade Iron & amp; processamento mineral de aço (por exemplo: fabricação de cimento) Processamento de celulose e papel. Mais informações sobre o EU ETS podem ser encontradas no site do DECC. Leilões de Emissões. "A EEX se estabeleceu como a principal plataforma de leilões de permissões de emissão no EU ETS. Também expandiremos nossa oferta no mercado secundário com novos vencimentos mensais e trimestrais para atender à demanda do mercado." Christian Fleischer, gerente de contas-chave Power & amp; Mercados Ambientais. O leilão é o princípio básico da atribuição de licenças no sistema de comércio de emissões da UE (EU ETS). Isso significa que as empresas têm que comprar uma proporção crescente de permissões através de leilões. Para 2018, a Comissão anunciou que um total de 937.557.000 licenças gerais (EUAs) será leiloado. Para os subsídios da aviação da UE (EUAAs), nenhum dado foi comunicado para 2018 até agora, mas o montante será comparável aos 4.730.500 EUAAs leiloados em 2017. Cerca de 90% de todas as permissões leiloadas no EU ETS são alocadas via EEX. A EEX recebeu o papel de plataforma comum de leilões para leiloar licenças em nome de 25 estados membros da UE. Nesta capacidade, a EEX também realiza leilões de emissões para a Polônia durante um período de transição. Além disso, a EEX foi selecionada como plataforma de leilão de desativação da Alemanha. Nestas funções, a EEX realiza leilões regulares de permissões gerais da UE (EUAs) e licenças de aviação da UE (EUAAs) no mercado à vista. Participar no Sistema de Comércio de Emissões da UE (EU ETS) Introdução ao Sistema de Comércio de Emissões da UE, incluindo como funciona o sistema de limitação e comércio, como as licenças são alocadas, detalhes sobre conformidade, inclusão da aviação no Sistema e o esquema de desativação do Reino Unido para pequenos emissores e hospitais. Cap e comércio. Os participantes que provavelmente emitem mais do que sua alocação têm a opção de tomar medidas para reduzir suas emissões ou comprar subsídios adicionais; quer do mercado secundário - por exemplo, empresas que detêm licenças que não precisam - quer de leilões detidos pelos Estados-Membros. Mais informações estão disponíveis no site EU ETS: mercados de carbono. Não importa onde (em termos de localização física) as reduções de emissões são feitas porque a economia de emissões tem o mesmo efeito ambiental onde quer que elas sejam feitas. O raciocínio por trás do comércio de emissões é que ele permite que as reduções de emissões ocorram onde o custo da redução é menor, diminuindo o custo total de lidar com as mudanças climáticas. Como funciona a negociação: um exemplo hipotético simplificado. A instalação B, no entanto, emitiu 220Mt de CO2 porque precisava aumentar sua capacidade de produção e era muito caro investir em tecnologia de eficiência energética. Por conseguinte, a instalação B comprou licenças do mercado, disponibilizadas porque a instalação A conseguiu vender as suas licenças adicionais. O efeito líquido é que o investimento na redução de carbono ocorre no local mais barato, e as emissões de CO2 são limitadas às 400 permissões emitidas para ambas as instalações. Fases de entrega do Sistema de Negociação de Emissões. Fase I (1 de Janeiro de 2005 a 31 de Dezembro de 2007) Esta fase está completa. Maiores detalhes sobre essa fase podem ser vistos na versão do Arquivo Nacional do DECC: EU ETS Fase I. Fase II (1 de janeiro de 2008 a 31 de dezembro de 2012) Fase III (1 de janeiro de 2013 a 31 de dezembro de 2020) Atribuição gratuita de licenças. Além disso, os setores industriais em risco significativo de competição de países sem custos similares de carbono (ver seção sobre vazamento de carbono no EU ETS para obter mais informações) são elegíveis para receber uma proporção maior de permissões de graça. Em 2011, os Estados-Membros foram obrigados a apresentar à Comissão Europeia uma lista do número preliminar de licenças gratuitas a conceder a cada instalação industrial na fase III, designadas por «medidas nacionais de execução» ou «NIM». O Reino Unido apresentou suas MRE à Comissão Européia em 12 de dezembro de 2011, e subseqüentemente apresentou MNI modificados em abril de 2012. Atribuição gratuita da Fase III conforme aprovada nas Medidas Nacionais de Implementação do Reino Unido. Este arquivo pode não ser adequado para usuários de tecnologia assistiva. Solicite um formato acessível. Se você usa tecnologia assistiva (como um leitor de tela) e precisa de uma versão deste documento em um formato mais acessível, envie um e-mail para enquiries@beis.gov.uk. Por favor, diga-nos qual o formato que você precisa. Isso nos ajudará se você disser que tecnologia assistencial você usa. Tabela de alocação nacional do Reino Unido: alocação gratuita da Fase III incluindo mudanças na alocação: junho de 2014. Este arquivo pode não ser adequado para usuários de tecnologia assistiva. Solicite um formato acessível. Se você usa tecnologia assistiva (como um leitor de tela) e precisa de uma versão deste documento em um formato mais acessível, envie um e-mail para enquiries@beis.gov.uk. Por favor, diga-nos qual o formato que você precisa. Isso nos ajudará se você disser que tecnologia assistencial você usa. Tabela nacional de alocação do Reino Unido: alocação nacional de fase III incluindo alterações: abril de 2015. Este arquivo pode não ser adequado para usuários de tecnologia assistiva. Solicite um formato acessível. Se você usa tecnologia assistiva (como um leitor de tela) e precisa de uma versão deste documento em um formato mais acessível, envie um e-mail para enquiries@beis.gov.uk. Por favor, diga-nos qual o formato que você precisa. Isso nos ajudará se você disser que tecnologia assistencial você usa. UK National Allocation Table: Alocação Nacional da Fase III incluindo mudanças: abril de 2016. Planilha MS Excel, 73,2 KB. Este arquivo pode não ser adequado para usuários de tecnologia assistiva. Solicite um formato acessível. Se você usa tecnologia assistiva (como um leitor de tela) e precisa de uma versão deste documento em um formato mais acessível, envie um e-mail para enquiries@beis.gov.uk. Por favor, diga-nos qual o formato que você precisa. Isso nos ajudará se você disser que tecnologia assistencial você usa. Tabela de alocação nacional do Reino Unido: alocação nacional de fase III incluindo alterações: abril de 2017. Este arquivo pode não ser adequado para usuários de tecnologia assistiva. Solicite um formato acessível. Se você usa tecnologia assistiva (como um leitor de tela) e precisa de uma versão deste documento em um formato mais acessível, envie um e-mail para enquiries@beis.gov.uk. Por favor, diga-nos qual o formato que você precisa. Isso nos ajudará se você disser que tecnologia assistencial você usa. Vazamento de carbono e o EU ETS. A melhor maneira de lidar com o vazamento de carbono seria um acordo climático internacional juridicamente vinculativo. Isto criaria condições equitativas para a indústria dentro e fora da UE no que diz respeito à contabilização dos custos do carbono. O segundo mecanismo permite aos Estados-Membros compensarem os sectores com risco significativo de fuga de carbono em resultado dos custos indirectos do RCLE UE (isto é, através dos aumentos do preço da electricidade no âmbito do RCLE), desde que os regimes sejam concebidos no quadro estabelecido pela Comissão Europeia ( consulte a seção sobre o esquema de compensação indireta de vazamento de carbono para obter mais informações). O governo do Reino Unido apoia fortemente o princípio da alocação gratuita na ausência de um acordo internacional sobre o clima. Acreditamos que a alocação proporcional e gratuita de permissões concede alívio a setores com risco significativo de vazamento de carbono, sem elevar as barreiras ao comércio internacional. No entanto, estamos preocupados com o fato de que aqueles que estão em maior risco podem não ser compensados ​​suficientemente no futuro se as regras atuais do EU ETS não forem reformadas para a Fase IV do EU ETS. O governo do Reino Unido reconhece as preocupações do setor em relação à competitividade e ao vazamento de carbono e está empenhado em garantir que setores genuinamente em risco significativo de vazamento de carbono sejam protegidos contra esse risco. Em junho de 2014, publicamos um projeto de pesquisa encomendado pelo Departamento de Energia e Mudança Climática e realizado pela Vivid Economics e Ecofys, que investiga a ocorrência de vazamento de carbono até agora e os fatores fundamentais do vazamento de carbono para uma seleção de setores industriais e avalia as medidas em vigor para a sua mitigação. O relatório modela o risco de vazamento de carbono para 24 setores industriais e foi produzido em consulta com as partes interessadas do setor. A análise de modelagem mostra que, na ausência de medidas de mitigação (como alocação gratuita de permissões), ausência de potencial de redução de carbono e nenhum aumento na regulamentação de carbono fora da União Europeia, vários setores correm risco de vazamento. Dadas essas suposições, a análise de modelagem mostra taxas mais altas de vazamento de carbono do que seria esperado que ocorresse na realidade. As opiniões expressas no relatório são de seus escritores e não representam uma posição oficial do governo do Reino Unido. O relatório final, estudos de caso e revisão por pares associados estão disponíveis: Avaliação do estado de fuga de carbono para a atribuição gratuita de licenças. Os setores em risco de fuga de carbono são avaliados em relação a um conjunto de critérios e limiares estabelecidos na Diretiva RCLE-UE. A lista de setores considerados em risco de fuga para o período 2013-2014 foi acordada através do procedimento de comitologia da UE em dezembro de 2009, com os aditamentos à lista feita nas subsequentes decisões da Comissão Europeia. Em 31 de agosto de 2013, o Reino Unido respondeu à consulta da Comissão Europeia sobre a metodologia para a determinação da lista de fuga de carbono de 2015 a 2019. Esquema de compensação indireta de vazamento de carbono. Na declaração de outono de 2011, o chanceler anunciou que o governo pretendia implementar medidas para reduzir o impacto da política sobre os custos da eletricidade para as indústrias que usam mais eletricidade, começando em 2013 e valendo cerca de £ 250 milhões durante o período de Revisão de Gastos. A Comissão Europeia adoptou, em Junho de 2012, orientações revistas sobre auxílios estatais sobre compensação dos custos indirectos do RCLE-UE. Estas orientações listam os sectores considerados expostos a um risco significativo de fuga de carbono devido aos custos das emissões indirectas e fornecem pormenores sobre o máximo níveis de compensação que podem ser disponibilizados a eles. Qualquer sistema de indemnização dos Estados-Membros deve ser concebido dentro do quadro estabelecido pela Comissão Europeia. Em outubro de 2012, o DECC e o BIS lançaram a consulta do esquema de compensação para indústrias intensivas em energia, que definiu nossas propostas para a elegibilidade e o desenho do pacote de compensação. A consulta, encerrada em dezembro de 2012, proporcionou uma oportunidade para todos os interessados ​​no pacote comentarem as propostas, ajudando-nos a garantir que a compensação seja direcionada às empresas que estão em maior risco de vazamento de carbono como resultado da energia e do clima. alterar políticas. Para a compensação do Piso de Preço do Carbono, que continua sujeita à aprovação do auxílio estatal da Comissão Européia, esperamos publicar a orientação no final do verão e começar os pagamentos logo em seguida. Reserva de novos participantes. Mais informações sobre permissões podem ser encontradas no EU ETS: página de permissões. Cumprindo com o EU ETS. Os reguladores incluem: a Agência Ambiental, a Agência Escocesa de Proteção ao Meio Ambiente (SEPA), a Agência do Meio Ambiente da Irlanda do Norte (NIEA), a Natural Resources Wales, o Departamento de Negócios, a Energia & amp; Estratégia Industrial (BEIS) para instalações offshore. Para mais informações sobre como cumprir o EU ETS, visite: Monitoramento, relatórios, verificação e credenciamento. Encontrar um verificador EU ETS acreditado no Reino Unido. Inclua as seguintes informações no seu email: nome do verificador número de identificação da acreditação do país da organização uma cópia do seu certificado de acreditação nome completo e endereço de e-mail do ponto principal de contacto (este utilizador terá a responsabilidade de gerir outros utilizadores para este verificador) Para solicitar uma conta de registro de verificador, envie um e-mail para etregistryhelp@environment-agency.gov.uk para um pacote de aplicativos. Mais orientação. Usando os dados do inventário de gases de efeito estufa do Reino Unido no monitoramento e relatório do EU ETS: a lista de fatores específicos do país. A Regulamentação da Comissão Européia sobre Monitoramento e Relatórios permite que dados reportados nacionalmente sejam usados ​​como fatores padrão em circunstâncias específicas. Fatores de emissão de carbono e valores calóricos do Inventário de Gases de Efeito Estufa do Reino Unido (AEA-Ricardo) estão disponíveis para relatórios anuais de emissões para o EU ETS: Fatores de emissão e poder calorífico para 2017. Planilha MS Excel, 81.7KB. Os factores nacionais são os factores de emissão do nível 2 e do nível 2a e os valores caloríficos líquidos para os combustíveis específicos utilizados por indústrias específicas. Os fatores nessas tabelas devem ser usados ​​apenas de acordo com os requisitos do plano de monitoramento aprovado da instalação, que faz parte da licença do Greenhouse Gas. Tabelas para anos anteriores estão disponíveis da seguinte forma: Futuros de emissões de carbono - 18 de março (CFI2H8) Para todos os lançamentos futuros Apenas para o próximo lançamento Envie-me um lembrete 1 dia de negociação antes. Posição adicionada com sucesso a: Prev. Fechar: 10,34 Aberto: 10,27 Intervalo do dia: 10,25 - 10,50. Dados Históricos de Futuros de Emissões de Carbono. Nós encorajamos você a usar os comentários para interagir com os usuários, compartilhar sua perspectiva e fazer perguntas de autores e uns aos outros. No entanto, para manter o alto nível de discurso, todos nós valorizamos e esperamos, tenha em mente os seguintes critérios: Enriquecer a conversa Mantenha-se focado e no caminho certo. Apenas postar material relevante para o tópico em discussão. Seja respeitoso. Mesmo as opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática. Use o estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e casos superiores e inferiores. NOTA: mensagens de spam e / ou promocionais e links dentro de um comentário serão removidos Evite palavrões, calúnias ou ataques pessoais dirigidos a um autor ou outro usuário. Não Monopolize a Conversação. Agradecemos paixão e convicção, mas também acreditamos fortemente em dar a todos a chance de transmitir seus pensamentos. Portanto, além da interação civil, esperamos que os comentadores ofereçam suas opiniões de forma sucinta e ponderada, mas não tão repetidamente que os outros estejam aborrecidos ou ofendidos. Se recebermos queixas sobre indivíduos que assumem um tópico ou fórum, nos reservamos o direito de proibi-los do site, sem recurso. Somente comentários em inglês serão permitidos.
Terminologia das opções binárias pdf
Requisitos de capital de negociação Forex